top of page
Buscar
  • Foto do escritorProseg Seguros

Loja de motos pega fogo em SP e caso alerta sobre como seguro amenizaria danos


Na última sexta-feira (28), a loja de motocicletas Volta Motors na 9 de julho em São Paulo pegou fogo. A perícia está averiguando o motivo do incêndio e a loja vai ficar fechada por tempo indeterminado.

Pensando na questão do seguro, o CQCS entrevistou o advogado e Corretor de Seguros, Dorival Alves, que relatou que todo empresário que opte por construir ou representar uma grande empresa, um dos primeiros itens a ser incluído em seu projeto é ter a contratação de uma apólice de Seguro Incêndio e sempre buscando mensurar o tamanho do seu negócio e as garantias necessárias diante da atividade desenvolvida. “É neste momento que o profissional corretor de seguros com base nas informações obtidas irá desenhar uma proposta de seguro com base nas necessidades específicas do ramo e atividade da empresa. São seguros que protegem empresas, consultórios, escritórios, escolas, além de seguros para perda e danos materiais”, disse Dorival Alves.

O advogado ainda pontuou que, em linhas gerais, algumas propostas de Seguro de Incêndio já incluem a garantia de Lucros Cessantes cujo propósito é de cobrir o pagamento do lucro bruto da empresa — soma das Despesas Fixa e do Lucro Líquido. “A cobertura é proporcional à queda do faturamento e ao impacto causado na empresa em função de um evento que fugiu do controle e no presente caso, o incêndio. É bom destacar que o Seguro de Lucros Cessantes tem como objetivo garantir a situação financeira da empresa contra perdas financeiras, em caso de sinistros que interfiram no andamento dos negócios da empresa”.

Sobre o tempo que a loja vai ficar fechada, o advogado relatou que existe uma dúvida em qual o período que a seguradora irá indenizar o segurado diante da cobertura de Lucros Cessantes. “Normalmente o período que a seguradora irá indenizar a empresa é definida na contratação do seguro mas obedecendo o período em que a atividade permaneceu paralisada em decorrência do dano sofrido e do tempo necessário para a reestruturação. Assim, no caso concreto, o tempo necessário para a reconstrução da empresa que foi incendiada”.


Fonte: CQCS


bottom of page