top of page
Buscar
  • Foto do escritorProseg Seguros

FGC: conheça o “seguro” da renda fixa que garante aplicações de até R$ 250 mil



Você sabia que os investimentos também podem ter uma espécie de “seguro”? Pois é isso mesmo que acontece com aplicações de renda fixa que são garantidas pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos).


O FGC é uma entidade privada, sem fins lucrativos e que não possui vínculos com o governo. O fundo administra mecanismos de proteção a titulares de crédito contra possíveis problemas de instituições financeiras.


Em outras palavras, o FGC procura preservar o patrimônio do investidor caso a instituição financeira tenha problemas de solvência e aconteça o famoso “calote”. Nestes casos, o FGC garante o pagamento do investidor até o limite de R$ 250 por instituição financeira e CPF.


Isso inclui o valor total da aplicação no momento da intervenção da instituição, somando o principal aplicado e mais os juros do período de vigência.


Nas contas conjuntas, o valor da garantia é limitado a R$ 250 mil dividido pelo número de titulares, sendo o crédito do valor garantido feito de forma individual.


“Com o FGC, o investidor fica mais tranquilo para aplicar seu dinheiro com segurança, sabendo que não irá perder o valor investido”, destaca a equipe da Blue3 investimentos. “Se você quer diversificar com a mesma segurança da poupança, os ativos cobertos pelo FGC entram como uma boa opção”, continua a Blue3.


Aplicações e tipos de depósitos que possuem cobertura do FGC


É importante destacar que não são todas as aplicações de renda fixa que possuem cobertura do FGC. Veja a seguir quais são os papéis que têm garantia:

–Depósitos de poupança

–Letras de câmbio (LC)

–Letras hipotecárias (LH)

–Letras de crédito imobiliário (LCI)

–Letras de crédito do agronegócio (LCA)

–Depósitos a prazo, com ou sem emissão de certificado RDB (Recibo de Depósito Bancário) e CDB (Certificado de Depósito Bancário)

–Depósitos mantidos em contas não movimentáveis por cheques destinadas ao registro e controle do fluxo de recursos referentes à prestação de serviços de pagamento de salários, vencimentos, aposentadorias, pensões e similares

–Operações compromissadas que têm como objeto títulos emitidos após 8 de março de 2012 por empresa ligada.


Aplicações que não têm garantia do FGC


Existem aplicações de renda fixa que não contam com a garantia do FGC, e por isso o investidor deve ter ainda mais cautela na hora de aplicar.


Entre elas estão investimentos como debêntures e debêntures incentivadas, CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários), CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio).

Como estes papéis não têm o “seguro” do FGC, em caso de falência da empresa ou do banco emissor, o investidor poderá amargar fortes prejuízos.


Portanto, é fundamental manter uma exposição controlada e fazer uma boa avaliação antes de optar pela aplicação.


Fonte: BM&C News

4 visualizações0 comentário
bottom of page