top of page
Buscar
  • Foto do escritorProseg Seguros

Cade aceita recurso contra fusão Rede D’Or-Sul América; analistas veem possíveis ruídos no mercado

Apesar dos ruídos e de potencial de adiamento da operação de combinação de negócios, analistas de mercado veem que operação será aprovada


Hospital da rede D'Or São Luiz | Imagem: Divulgação


Na manhã desta terça-feira (29), a Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) emitiu comunicado aceitando os apelos de instituições privadas de saúde para revisitar a aprovação sem remédios da aquisição da Sul América (SULA11) pela Rede D’Or (RDOR3), que foram enviados há 5 dias para a autarquia.


A Superintendência Geral do Cade havia aprovado no dia 7 de novembro, sem restrições, a transferência do controle acionário de sociedades controladas pela Sul América para a Rede D’Or. As objeções à operação poderiam ser apresentadas em até 15 dias por terceiros ou pelo tribunal administrativo do Cade, antes que a decisão fosse considerada definitiva.


O JPMorgan apontou em breve nota que continua com a visão de que é improvável que o Cade mude sua decisão, pois 1) ele foi bastante veemente nas declarações sobre aprovação, ao mesmo tempo em que afirmou que o novo grupo verticalmente integrado poderia trazer benefícios aos beneficiários do setor privado de saúde, e 2) não há concentração de mercado de até 30% em nenhuma região ou vertical da indústria em que a nova empresa irá operar.


“Ainda assim, a discussão em andamento deve trazer ruídos ao case e a incorporação da Sul América deve ser adiada para segundo ou terceiro trimestre, ante previsão anterior de primeiro trimestre, pois o prazo do Cade para reanalisar o negócio é 23 de maio”, avaliam os analistas.


Agora, a Rede D’Or tem dez dias para atender os novos pedidos do órgão antitruste e há aprovações pendentes da ANS (regulador de saúde privado) e do Banco Central, que não devem trazer questões problemáticas sobre a operação. O JPMorgan reforçou a recomendação overweight (exposição acima da média do mercado, equivalente à compra) para os ativos RDOR3, sendo a sua top pick no setor de saúde.


O Itaú BBA também apontou que a notícia não muda sua visão sobre a aprovação do negócio. “Os apelos de concorrentes eram esperados e a interposição de recursos poderia ser encarada como uma formalidade. Contudo, isso ainda pode gerar algum ruído no mercado porque os investidores podem ver a notícia como uma indicação de um tempo mais longo para o acordo ser totalmente aprovado ou que possíveis remédios poderiam ser aplicados. Ainda estamos confiantes de que o negócio será aprovado”, aponta o BBI.


Após abrirem em queda nesta terça, as ações fecharam em alta, acompanhando o maior otimismo do Ibovespa como um todo. Os ativos RDOR3 subiram 3,35%, a R$ 30,23, enquanto SULA11 avançou 1,77%, a R$ 21,89.


Fonte: InfoMoney

1 visualização0 comentário
bottom of page